Sábado, 28 de março de 2020.


É na crise que o homem revela sua verdadeira identidade

São nos momentos críticos que se percebe quem conseguiu atingir o “grau” de civilização. É na relação com o outro que o homem demonstra (ou não) sua humanidade e prova se realmente declinou da sua natureza animal.

Os mais desapercebidos ou desprovidos de senso crítico sobre si e sobre o outro, logo revelarão suas tendências naturais motivadas pelo instinto de sobrevivência. Desesperados, agirão pela emoção de temer que o pior aconteça e sua selvageria ficará estampada mesmo nas pequenas atitudes como, por exemplo, (quase) desabastecer as farmácias e supermercados como se tem visto nos últimos dias por causa da pandemia do coronavírus.

A estes talvez tenha faltado na formação de sua personalidade o que Kant dizia ser determinante para o desenvolvimento humano: a pedagogia (educação) e a filosofia (saberes). Ou até tenham tido, mas de repente não se permitiram ou não foram devidamente corrigidos em tempo de a disciplina domar sua selvageria aflorada em seus instintos primitivos ou naturais que o equiparam ao animal e, produzir, neles, qualidades que desenvolvam sua essência humana.

Outro observatório muito pertinente que acaba de chegar ao Brasil é o filme “O Poço”, da Netflix, lançado originalmente em 2019 nos cinemas espanhóis. Sem dar spoiler, digo apenas que sua narrativa suscita mil e uma interpretações sobre o desenvolvimento humano, escancarando uma solidariedade falaciosa que muitos ao nosso redor, talvez carreguem por trás de suas máscaras.

Por tudo isso é que estes não podem ser “graduados” na escola humana como civilizados. Este “diploma” lhes foi confiscado no momento em que revelaram sua verdadeira identidade a partir do contato com o outro nos momentos de crise.

Mas, como diz o livro bíblico de Eclesiastes: há tempo pra tudo debaixo do céu. Por mais que agora lhes faltem atributos e virtudes que suplantem sua essência animal, Cristo oferece, aos que creem, a oportunidade de um novo nascimento. A velha criatura será sepultada nas águas do batismo e ressurgirá um novo homem que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade. Este novo homem passará a viver pela fé no Cristo que em breve virá buscar um povo seu especial e zeloso de boas obras para habitar com ele lá no céu.

Categoria artigos, articulista

Maiara Pires

Jornalista, produtora de conteúdos, practitioner em PNL, Life Coach, coautora do livro "Como a PNL mudou minha vida" e autora do blog asabedoriadoalto.blogspot.com 




Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA DO ARTICULISTA