Terça-Feira, 20 de agosto de 2019.

Quem é você?

“Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1 Pedro 2.9).

 

O que se percebe nos dias de hoje é que as pessoas estão desconectadas de si mesmas. Elas não sabem quem elas são, o que vieram fazer nesse mundo e para onde vão. Isso tem causado angústia em muitas delas e as deixando desmotivadas não vendo mais sentido para continuar sua jornada.

O que acaba acontecendo, na maioria das vezes, é que as pessoas se identificam com os múltiplos papeis que desempenham na sua vida pessoal, social e profissional e se apropriam desses papeis como se fosse a identidade delas, como se fosse a sua personalidade.

E por desconhecerem a si mesmas, muitas pessoas vivem aquilo que não são, mascarando a realidade – uns conscientes, outros inconscientemente. As redes sociais, inclusive, têm sido usadas para potencializar essas falsas imagens e, também, despertar a frustração em algumas pessoas por, de repente, não conseguirem viver da forma que gostariam, ao contemplar a vida dos outros.

Uma forma de trazer à tona a essência que, porventura, está escondida em algum lugar dentro de si é examinando-se a si mesmo buscando identificar seus gostos, suas preferências, utilizando plenamente a visão, a audição, o paladar, o tato e olfato. E identificar suas características singulares, aquilo que o diferencia das outras pessoas, algo que consegue fazer melhor do que ninguém com uma habilidade que lhe é própria.

Ao identificar suas características singulares, você pode olhar para o Senhor Jesus Cristo e observar os comportamentos dele, o seu caráter e o seu excelso amor. E moldar a sua personalidade ao evangelho que Ele veio ensinar para herdarmos o reino dos céus.

E ao saber quem você é, descobrirá como o autoconhecimento será determinante nos seus relacionamentos interpessoais. Perceberá que até a sua forma de se relacionar com as pessoas pode melhorar, se você quiser que assim seja. Pois, conseguirá identificar seus próprios defeitos e qualidades, podendo modificar os seus comportamentos, se necessário, sem precisar que alguém o repreenda. “Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados” (1 Coríntios 11.31). “E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Tessalonicenses 5.23).

Assim como você pode descobrir a sua essência e o que veio fazer nesse mundo enquanto estiver respirando e viver a sua vida de forma plena até os seus últimos dias, o Senhor Jesus também veio te chamar para algo que é maior do que tudo isso. Ele te chama para uma vida com abundância. “E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna” (1 João 2.25).

Em Cristo podemos descobrir quem nós somos, o que viemos fazer nesse mundo e para onde vamos depois que a cortina da vida se fechar. “Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá” (João 11.25). Não interrompa o ciclo da vida com as suas próprias mãos. Não destrua o templo de Deus que é o seu próprio corpo. Existe uma jornada, um caminho a percorrer em direção ao reino dos céus. Esse caminho é o próprio Deus (Cristo Jesus). Valorize a sua história e permita-se conhecer o amor de Deus para inspirar outras por onde passar.

Categoria artigos, articulista

Maiara Pires

Jornalista




Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA DO ARTICULISTA