Quarta-Feira, 13 de dezembro de 2017.

A festa do Círio

O Círio é sempre uma festa. A multidão acompanha, reza, canta, muitos choram. Outros estendem as mãos para a pequena imagem que passa. Todos têm um pedido, uma oração, para fazer à Maria. Difícil resistir. Algo de mais forte nos leva a dizer abertamente ou no silêncio do nosso coração: Nossa Senhora, ajude-nos, ajude os seus filhos! Pedir, não é humilhante. Menos, ainda, quando suplicamos a quem nos conhece, nos ama e na qual podemos confiar. É reconhecer o tamanho das dificuldades e admitir a nossa fragilidade. É uma maneira também de dizer a nós mesmos que não queremos desistir, que ainda acreditamos num mundo melhor. Às vezes, porém, falta-nos coragem e clareza nos rumos a serem tomados. Por isso imploramos. De cabeça erguida, porque não queremos soluções milagrosas, algo de extraordinário, que nos dispense do nosso compromisso de lutar pelas causas justas. 

À Maria, a pequena mulher de Nazaré, pedimos a força de acreditar no Deus que nunca abandona os seus amigos, que sempre realiza as suas promessas, que faz a sua parte, enviando o seu próprio Filho Jesus, pronto a morrer na cruz, para resgatar uma humanidade confusa e infeliz. Nossa Senhora, Maria de tantos nomes, respondeu com alegria o seu sim ao projeto de Deus, à vontade dele, conforme a sua palavra. Esse é o caminho certo, o caminho da vida plena. Precisamos de um pouco mais daquela clareza e daquela coragem que ela teve. Talvez seja esse o legado que o Ano Nacional Mariano, que está chegando ao seu fim, possa nos deixar.

Clareza não é só saber para aonde ir, é saber, antes, para aonde não ir. Os caminhos da corrupção e da violência devem ser deixados de vez. Se alguém ganhou com as propinas – talvez um dia ainda saibamos quem e quanto – com certeza o povo perdeu, as instituições perderam, todos ficamos mais pobres. Uma dinheirama sumiu e a busca da justiça não está ficando barata. Também projetos e medidas que ferem os direitos dos trabalhadores, dos povos indígenas e o equilíbrio da floresta, podem ser atos violentos ou abusivos. Para reverter certos costumes poluídos, pr ecisa implantar outros, baseados na honestidade e no bem comum. Vale para todos, grandes e pequenos.

Parece que estejamos esquecendo alguns dos mandamentos fundamentais para uma convivência social pacífica e saudável, como: “não matarás, não roubarás, não levantará o falso”. Antes de qualquer lei humana, que abre tantas brechas, deve ser a nossa consciência a respeitar a vida, a verdade e os bens dos outros. Quando a mentira se torna propaganda, o desvio de dinheiro público é quase legalizado e a vida vale menos do que um celular, é sinal que está faltando luz para enxergar as metas do nosso avançar. Para aonde queremos ir, afinal? É possível encontrar o caminho sozinhos ou só é possível acertá-lo juntos? Precisamos de muita coragem para abrir trilhas novas. Urgem desbravadores para abrir estradas na selva de indiferença das nossas cidades; trabalhadores para construir pontes que nos façam encontrar de novo os irmãos; tocadores que nos lembrem a gratuidade e a poesia da natureza, dom do Criador para os seus filhos.

O Papa Francisco nos lembra que a paz, a justiça e o bem, são trabalhos artesanais. São feitos pelas mãos e os pés de muitos, alcançados com os pequenos passos dados no dia a dia, com o cuidado, a paciência, o bom gosto e muitos sorrisos. Todo artesão sabe que precisa trabalhar, suar, acreditar que as situações erradas podem mudar e algo novo vai surgindo. Na realidade, para nós cristãos, o “novo” é sempre o mandamento de Jesus, o amor. É antigo e está escrito no coração de cada ser humano que tenha vontade de se olhar por dentro e tenha a coragem de sair e m busca dos seus irmãos.

Nazaré, Fátima, Aparecida, qualquer seja o “nome” que damos a Nossa Senhora, qualquer seja a devoção e o carinho que temos por ela, pedimos a sua intercessão. Queremos que o Círio do Ano Nacional Mariano, seja o Círio do “sim” da esperança para os pequenos, da força para os desanimados, da coragem para retomarmos juntos o caminho certo. Forte como o “sim” de Maria.   

Categoria artigos, articulista

Dom Pedro José Conti

Bispo de Macapá 




Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA DO ARTICULISTA