Governo inicia reforma da Escola Estadual Barão do Rio Branco

Compartilhe:





O Governo do Estado do Amapá (GEA) deu início às obras de reforma e revitalização da Escola Estadual Barão do Rio Branco, em Macapá. Os serviços iniciaram na última quarta-feira, 2, com a limpeza da área externa do prédio e montagem dos tapumes para isolamento da obra. Os trabalhos têm a previsão de conclusão em 1 ano e investimento de mais de R$ 5 milhões.

O acompanhamento dos serviços será da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinf). De acordo com o titular da pasta, Alcir Matos, não se trata de uma simples reforma, mas de uma revitalização de um prédio histórico do Amapá. “É uma obra de 1946 e precisamos fazer todo esse resgate e manter ao máximo a arquitetura original do prédio. O que fizermos de diferente na estrutura não impactará em nada na essência primaria”, destacou Matos.

Um dos pontos de maior destaque do projeto é em relação aos serviços no ambiente do Cine Teatro Territorial, que ficava nas dependências da escola. O local será utilizado como auditório para fins pedagógicos, mas será mantida toda a estrutura original. A solicitação para transformação do lugar foi do corpo docente do educandário.

Localizado no Centro da capital, o colégio atenderá estudantes de vários bairros da cidade. “A estrutura é muito grande e atenderá um bom número de alunos que moram no entorno do centro de Macapá”, explicou o secretário.

Após a conclusão dos serviços de reforma, a Escola Barão do Rio Branco atenderá a comunidade escolar com 18 salas de aula e mais um complexo de compartimentos administrativos e pedagógicos. Todos divididos em quatro blocos. 

As interrupções das atividades escolares ocorreram em 2014 e atualmente a escola funciona em um prédio alugado na Avenida Iracema Carvão Nunes, também no Centro. A Escola Estadual Barão do Rio Branco foi inaugurada no dia 20 de abril de 1946 e foi a primeira unidade de ensino a construída em alvenaria (parte concreto armado) no Amapá. Inicialmente recebeu o nome de Grupo Escolar de Macapá, a instituição foi renomeada para o nome atual cinco meses depois.

Colaboradores: Tony Briam / Foto: Maksuel Martins / Secom

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO