Estado aprimora aplicativo para ajudar no combate ao Aedes aegypti

Compartilhe:





O novo aplicativo denominado “Caça ao Mosquito”, criado pelo Centro de Gestão da Tecnologia da Informação (Prodap) em cooperação com a Secretaria de Estado da Comunicação (Secom), já está em funcionamento e pode ser baixado por qualquer cidadão amapaense em todas as plataformas IOS e Android. O APP é um mecanismo virtual para denúncias e orientações para ajudar no combate ao mosquito Aedes aegypti, que transmite doenças como dengue, zika e chikungunya.

“Nós aprimoramos o aplicativo anterior [Detona Aedes] e deixamos o Caça ao Mosquito mais leve e com tom lúdico. Ele tem uma identidade visual bem mais moderna para atrair, principalmente, os jovens que tem mais contato com a internet”, explicou o diretor-presidente do Prodap, Lutiano Silva.

Além de orientações educativas, o APP também prioriza o viés das denúncias. O cidadão que deseja informar onde há pontos de focos do mosquito, automaticamente, o sistema do aplicativo detecta a localização do denunciante. E também, é possível ter acesso a orientações de como proceder e em quais órgãos deve-se recorrer. Mas, no geral, todos os dados serão repassados para a Superintendência de Vigilância em Saúde do Amapá (SVS), responsável pelo monitoramento de todos os municípios.

 

“Está com uma nova funcionalidade. Tem um jogo que ensina como combater o mosquito; o que é o mosquito, quais os sintomas das doenças que ele transmite. Ao invés de a população apenas ler uma quantidade de informação, ela também vai aprender informações, de forma lúdico, sobre como combater o Aedes aegypti”, informou Lutiano Silva.

Após diversas campanhas educativas realizadas pelo Governo do Amapá, os casos de doenças transmitidas pelo Aedes, têm registrado queda significativa. No comparativo das Semanas Epidemiológicas 1 a 6, relativas ao período de 30 de dezembro a 9 de fevereiro (2018/2019), os casos confirmados de dengue caíram de 80 para 4; os casos de chikungunya diminuíram de 16 para 3 e zika, de 7 para 0.

 

Por: Fernando Santos /  Foto: Irineu Ribeiro/Secom

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO