Semdec e agricultores traçam metas e analisam demandas






Na quarta-feira, 19, a equipe do Departamento de Agricultura da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (Semdec) esteve no  distrito do Pacuí visitando as comunidades de Santa Luzia e Tracajatuba. Na última, houve reunião com a Associação de Agricultores  Familiares para tratar do retorno do maquinário para o preparo do solo das áreas que fazem parte do projeto Mecanização Agrícola, da  Prefeitura de Macapá.
 
Para a diretora do Departamento de Desenvolvimento do Setor Agropecuário da Semdec, Luana Andrade, o momento foi para traçar metas e  analisar as demandas. “Nosso planejamento é para começar ainda neste primeiro semestre, com o retorno das máquinas ao campo, pois estão em  manutenção. Antes disso, estamos visitando os distritos e localidades que fazem parte do projeto, avaliando as necessidades e dando  orientação técnica aos agricultores, escutando cada um. Esse diálogo é fundamental para termos um bom trabalho”.
 
A comunidade de São Joaquim do Pacuí foi atendida ano passado com o projeto, que preparou 46 áreas para o plantio e beneficiou 41 famílias  da localidade. Este ano, o trabalho continua e atenderá as que não foram beneficiadas, como a da dona Maria Raimunda Coelho, 47 anos, da  comunidade de Tracajatuba II, que planta mandioca. “Aguardamos o retorno da máquina para preparar o solo, fazer as covas e começar a  plantar”.
 
Em 2016, o Mecanização Agrícola atendeu as maiores comunidades produtoras agrícolas do município, como Curiaú, Vila das Acácias (distrito  do Coração), Casa Grande, Tracajatuba e Maruanum. O maquinário volta para Tracajatuba II, para finalizar o preparo de área para mais três  famílias, e seguirá para a comunidade de Salamito, também no Pacuí, com 32 áreas para plantio.
 
As comunidades agrícolas do distrito do Pacuí têm a mandioca como principal produto de plantio, outros também são cultivados, como  hortaliças, mas o consumo é mais para a comunidade. “O principal produto cultivado pelos agricultores no município de Macapá é a mandioca,  e a farinha é a mais comercializada nas feiras da cidade”, informou o técnico agrícola Michel Arimatéia.
 
O agricultor Matusalém Miranda, 27 anos, conhecido como Curica, de Santa Luzia, recebeu a visita da equipe em sua plantação. O preparo foi  feito no fim do ano passado e começou a plantação no início do ano. Agora, ele aguarda o fim do ano para fazer a colheita. “O projeto  preparou um hectare e espero uma boa colheita. As plantas vingaram e estão crescendo. A mandioca leva em média um ano para poder colher, ou  mais”.
 
Por Pérola Pedrosa

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO