Círio 2017 reúne mais de 100 mil pessoas em Macapá






Fé, gratidão, alegria, solidariedade, sentimentos como estes transbordavam em cada participante do Círio de Nazaré 2017 que, neste domingo, 8, atraiu aproximadamente cem mil pessoas, de acordo com a Diocese de Macapá, organizadora da tradicional celebração religiosa. O evento iniciou com a missa que reuniu uma multidão de fiéis no Santuário de Nossa Senhora de Fátima, bairro Santa Rita, zona sul da cidade. O percurso da procissão foi concluído na igreja matriz de São José, centro da capital amapaense.

Este ano, o Círio trouxe o tema “Nazaré, Fátima, Aparecida: sempre Maria!”. O bispo da Diocese de Macapá, Don Pedro Conti, explica que, além de homenagear Nossa Senhora de Nazaré, a escolha busca ressaltar os 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, e os 100 anos da aparição de Nossa Senhora de Fátima, em Portugal. “Apesar dos nomes diferentes que recebe, Maria é sempre a mesma, é a mãe de Jesus!”, pontuou o bispo.

O governador do Amapá, Waldez Góes, participou da programação acompanhado da família e destacou a importância do Círio para a população amapaense. “O povo do Amapá possui muita religiosidade, esperamos que Nossa Senhora de Nazaré renove nossa fé e nos abençoe”, afirmou.

Gratidão

Além de fé e devoção, o Círio reúne histórias bonitas de devotos que participam da celebração para agradecer graças alcançadas, como é o caso da bacharela em turismo Elizangela Oliveira, 36, que é devota de Nossa Senhora de Fátima. Voluntária no Círio, ela participa da celebração desde a adolescência, quando era integrante do tradicional Grupo de Jovens da Igreja Católica, contudo, há 14 anos um acontecimento reforçou sua fé.

O filho de Elizangela nasceu com problemas de saúde, o estado do bebê era tão delicado, que ele corria o risco de morrer ou de sobreviver com sequelas. Aflita, a jovem prometeu à santa que continuaria se dedicando ao Círio se o filho sobrevivesse. Atualmente, o menino é um adolescente saudável. “Eu tive uma prova de fé e continuo trabalhando no Círio com muito amor e emoção, sou muito grata”, contou.

Outra demonstração de gratidão pôde ser vista no ato da arquiteta recém-formada Manuelle Cabral, 27, que percorreu todo o percurso do Círio carregando livros e seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). “Estou agradecendo Nossa Senhora de Nazaré por ter me ajudado a concluir meu trabalho e me formar na universidade federal”, emocionou-se a jovem. 

Solidariedade

O Círio é um evento que proporciona belos atos de generosidade, há pessoas que distribuem leques, água, suco e sanduíches para garantir uma procissão mais confortável aos romeiros. É uma forma de agradecer um pedido ou simplesmente uma questão de solidariedade e de amor ao próximo.

A família Borges vive em uma casa na Avenida Almirante Barroso, próximo ao Santuário de Nossa Senhora de Fátima e, desde 2002, se reúne com vizinhos e amigos para distribuir mingau de milho aos fiéis. A autônoma Renata Borges, 36, conta que o projeto foi idealizado por sua tia ao perceber que muita gente vinha à missa muito cedo, em jejum, correndo o risco de passar mal.

“Tudo começou com uma panela de mingau e hoje, 15 anos depois, conseguimos distribuir 14 panelas grandes. Esse resultado só é possível porque a cada ano aumenta o número de pessoas dispostas a ajudar. É um trabalho muito gratificante, um esforço que vale a pena”, relatou a autônoma.

Segurança

A celebração religiosa contou com um esquema de segurança denominado Operação Círio que reuniu um efetivo de 750 servidores da Polícia Militar do Amapá (PM), Corpo de Bombeiros Militar do Amapá (CBM-AP), Guarda Municipal de Macapá (GMM), Companhia de Transportes e Trânsito de Macapá (CTMac), Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitacional (Semduh) e Exército Brasileiro.

Ao todo, 300 policiais militares estiveram presentes nas principais ruas e avenidas do percurso do Círio, cerca de 30 viaturas deram apoio no patrulhamento. Como em anos anteriores, além das ambulâncias do Samu, foram montados postos fixos de atendimento. O Corpo de Bombeiros participou da operação com 300 bombeiros envolvidos diretamente durante a procissão.

 

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO