De casa em casa: programa já visitou 4.587 mil casos confirmados de covid-19

Compartilhe:





O combate à pandemia de coronavírus tem como elemento fundamental, recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a investigação e rastreamento dos casos de pessoas infectadas. Com essa finalidade, a Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS) criou o programa De Casa em Casa, em que equipes clínicas formadas por agentes de saúde pública, enfermeiros, técnicos de enfermagem e médicos visitam casos de pessoas infectadas por coronavírus e que tenham comorbidades, como diabetes, hipertensão, obesidade, doenças cardíacas e idade avançada.

As equipes vêm realizando visitas desde o dia 14 do mês de abril e já investigaram 4.587 casos, destes 629 têm idade acima de 55 anos; 146 apresentam doença respiratória; 72 têm problemas cardíacos; 251 possuem diabetes; 590 hipertensão; 244 obesidade; e 71 apresentaram outras doenças.

A visita ocorre nas casas em que foi confirmado o caso anteriormente, por exame laboratorial ou teste rápido, e notificado através do Sistema Único de Saúde (SUS). Na visita se investiga também as pessoas que fazem parte da família e os contatos mais próximos da pessoa infectada, ao ser identificado sintomas clínicos, pode ser realizado teste rápido para covid-19 nas pessoas ainda não confirmadas.

“Avaliamos todas as doenças que podem se associar ao covid-19 e que venha a ser agravante. Fazemos orientação de como prevenir o contágio dentro do próprio domicilio, monitoramos os sinais vitais do paciente para analisar clinicamente o quadro atual dele, se houver sinais de agravamento encaminhamos à unidade de saúde mais próxima para analisar a possibilidade de internação”, afirmou a médica Maylin Rodriguez, coordenadora do programa.

O superintendente da SVS, Dorinaldo Malafaia, esclarece que o programa é estratégico no combate da pandemia.

“Com o programa de visitas conseguimos rastrear casos, realizar isolamento social e identificar em quais pacientes houve agravamento. Também serve como estratégia para o Estado diminuir a lotação de unidades hospitalares evitando que esse paciente seja internado ou seu familiar, sendo monitorados com antecedência. Atualmente os indicadores mostram uma estabilização de casos de covid-19, mas vamos continuar com as equipes alertas e nas ruas fazendo essa busca ativa”, afirmou Malafaia.

 

Por: Nathanael Zahlouth /  Foto: Alessandro Veloso

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA Notcia