Estado mantém quarentena nas escolas e limita bares e restaurantes para até 22h

Compartilhe:





Em entrevista coletiva, o governador do Amapá, Waldez Góes, apresentou nesta sexta-feira, 31, os dados mais recentes do relatório epidemiológico da Vigilância em Saúde e assinou o novo decreto estadual, que mantém a suspensão das aulas presenciais e o limite de horário de bares, restaurantes e similares até 22h.

As novas determinações são válidas para os próximos 15 dias em todo território estadual. Durante a semana, o governador alinhou com os prefeitos e setores empresariais sobre as principais mudanças e restrições, principalmente em relação ao horário de funcionamento de atividades.

Ainda de acordo com o novo decreto, apenas estabelecimentos, entre lanchonetes e restaurantes, situados em dependências de aeroportos poderão funcionar em regime de 24h, seguindo todas recomendações preventivas contra o novo coronavírus.

Relatório epidemiológico

Conforme o relatório, o Amapá possui os seguintes dados:

• Taxa de reprodução viral abaixo de 1 ponto (0,93)
• Índices de disponibilidade de leitos: de 62,5% (UTI) e 65% (clínico)
• Taxa de recuperados 68% em relação ao número de casos confirmados
• Taxa de letalidade 1,55%, sendo o 4º menor do Brasil

Retomada no setor público

No decreto, o Governo do Estado também anuncia a retomada gradual das atividades no setor público para a partir do dia 17 de agosto. A retomada ainda vai depender dos resultados dos relatórios epidemiológicos das próximas semanas.

“Prevemos neste decreto o início do planejamento, em termos de protocolo sanitários e organização das secretárias de Estado e administração direta e indireta dos órgãos para uma preparação de retomada gradual por grupos e fases”, disse.

Aulas e Merenda em Casa

Com a manutenção da suspensão das aulas presenciais, o governador do Amapá anunciou durante a coletiva de imprensa a 4ª etapa do benefício Kit Merenda em Casa, ofertado para mais de 120 mil alunos da rede estadual de ensino.

O governo decidiu manter a suspensão das aulas nas escolas públicas e privadas, por ser considerado um dos mais frágeis setores de controle diante das medida contra a propagação da covid-19.

“Estabeleci no decreto a manutenção da suspensão das aulas na rede pública e setor privado, e tiramos um posicionamento para todos os passos seguintes em relação a retomada que será de forma conjunta: estadual, municipal e particular”, finalizou.

 

Por: Jorge Abreu   Foto: Márcio Pinheiro

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA Notcia