Elevação das águas do rio Jari já atinge mais de 300 residências em Laranjal    






A população da região sul do Amapá, mais especificamente o município de Laranjal do Jari, mais uma vez sofre com as cheias do rio Jari, que passa em frente à cidade. Nesta segunda-feira, 16, o nível estava em 2,33 metros (até a última atualização da Defesa Civil do Amapá), acima do nível normal.

As águas começaram a chegar às casas na semana passada, cobrindo várias ruas e uma grande extensão das passarelas, nas partes mais baixas da cidade. Os bairros mais afetados são o Centro, Malvinas e Santarém, mas a expectativa é que mais bairros sejam atingidos. Com o cenário atual, cerca de 300 residências já foram afetadas e mais de mil pessoas já estão atingidas direta ou indiretamente pelo sinistro. Até a última atualização, cinco famílias estavam completamente desabrigadas e o grupo com 31 pessoas foi alojado na Escola Estadual Mineko Hayashida.

Nesses casos de ocorrências, a primeira resposta vem da Defesa Civil Municipal e em seguida, com o aumento dos acontecimentos, é acionado o Estado. Nesta segunda-feira, 16, já foi deslocada uma equipe de técnicos da Defesa Civil e da Secretaria de Inclusão e Mobilização Social (Sims), para o monitoramento da região. O Governo também deslocou na tarde de ontem,16, dois caminhões para auxiliar os serviços de remoção das famílias.

A Defesa Civil informou que a maioria dos moradores ainda continua nos locais alagados. Eles levantaram seus móveis e eletrodomésticos para evitar prejuízos. Equipes de saúde e assistência social do município prestam atendimento.

Até o fechamento desta reportagem, a Prefeitura ainda não tinha decretado situação de emergência, mas esse cenário será analisado em conjunto com a equipe do Corpo de Bombeiros. A decisão final é do prefeito Márcio Serrão (PRB).

Outro ponto que é monitorado pelas equipes do GEA é a vazão das comportadas da hidrelétrica de Santo Antônio, que ao final da tarde desta segunda, 16, marcava uma vazão de 2.700 metros cúbicos de água por segundo. A previsão do tempo indica mais chuvas nas cabeceiras dos rios na região nos próximos dias.  


Por Weverton Façanha/aGazeta

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO