Como se comportar se for assistir os jogos da Copa do Mundo no trabalho?






Funcionário torcedor: o ambiente corporativo exige certos cuidados

Mais uma vez o time brasileiro entra em campo amanhã. Desta vez, o Brasil enfrenta a Costa Rica. O jogo promete grandes emoções e acontece em plena sexta-feira, véspera do São João. Muitos trabalhadores estavam na torcida para que o expediente fosse suspenso para poder conferir cada lance bem à vontade. Outros já sabem que vão trabalhar e estão se preparando para assistir a partida no trabalho mesmo.

A Jornalista Bárbara Silva vai acompanhar cada lance da seleção canarinho na empresa que trabalha e está super empolgada. Decoração a mesa e já está penando no figurino verde e amarelo. “Inicialmente, eu não sabia que a empresa ia permitir que os funcionários assistissem os jogos. Fiquei sabendo da novidade essa semana e fiquei muito animada. Não me importei de não estar com minha família neste momento, pois o importante é torcer”, comenta.

Os colegas de trabalho estão no mesmo clima e estão organizando até bolão.  “Já garanti meu placar”, acrescenta animada adiantando que mais difícil do que vencer o bolão vai ser controlar a emoção durante o jogo. “Eu acho impossível ser brasileiro e não se emocionar e ficar feliz vendo a seleção jogar. Se ganhar, então...”, fala sem conter o sorriso.

Alana Almeida, funcionária de uma empresa de comunicação, também vai assistir os jogos Copa do Mundo no ambiente de trabalho. Por ser a mais animada da turma, foi escalada pelo chefe para decorar a sala toda. E, como o expediente de amanhã não vai ser suspenso, ela e os colegas já solicitaram uma televisão para acompanhar a partida.

Embora goste de estar com a família nestes momentos, Alana confessa que está animada para assistir o segundo jogo do Brasil com os colegas de trabalho. “A turma aqui já está bem animada com o jogo. Como não recebemos liberação do chefe para assistirmos os jogos de casa, afinal não fomos convocados pelo Titi, vamos assistir daqui do trabalho mesmo”, diz empolgada.

Vale lembrar que a empolgação pode ser um problema já que nestes momentos é comum que as pessoas se deixem dominar pela emoção de torcedor. Alana já sabe que vai ter que tentar se comportar como o ambiente pede. “Não sou muito de filtrar palavras, principalmente nestas ocasiões onde a emoção está a flor da pele, mas vou me podar sim. Afinal, estou em meu ambiente de trabalho”, pontua Alana.

Mesmo naquele momento sendo um funcionário torcedor, todos estão sendo observados. É preciso respeitar o ambiente de trabalho. Profissionais de Recursos Humanos recomendam consultar as regras da empresa onde você trabalha antes de começar a enfeitar mesas e aparecer para trabalhar com a camisa do Brasil. Nas empresas que usam fardas, por exemplo, não é bom o funcionário infringir essa regra. O profissional deve prestar atenção ao seu comportamento durante as partidas para não comprometer seu emprego e nem a sua carreira.

Saiba mais: Copa do Mundo 2018: conheça um pouco da Rússia

Trabalho e Diversão

Existem também algumas empresas que permitem que o funcionário folgue ou, pelo menos, não precise estar no momento do jogo no local de trabalho. Porém, é bom não abusar. Se não for folgar, nada de consumir bebidas alcoólicas e depois ir trabalhar ou chegar bem atrasado. E, se a empresa conceder a folga, observe se existe um banco de horas para isso e deixe tudo alinhado. Afinal, a última coisa que você quer é não ganhar esse jogo. Seja na Copa do Mundo ou no trabalho, a vitória é sempre importante. Deixe seu trabalho em dia, mostre comprometimento. Afinal, como bem disse Alana, você não foi convocado pelo técnico da Seleção Brasileira. O bom senso nessas horas é fundamental.

 

Vanessa Casaes – Ascom Educa Mais Brasil / Foto: Vinicius Reis

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO