Governo do Amapá: Quatro nomes confirmados na disputa das eleições 2018






As convenções partidárias realizadas neste fim de semana confirmaram os nomes escolhidos para a corrida ao governo do Amapá este ano. Prazo para realizar convenções termina neste domingo, 5, e os nomes escolhidos devem ser registrados até o dia 15 na Justiça Eleitoral.

Candidatos

O primeiro nome confirmado foi do professor Gianfranco Gusmão como representante do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU). A convenção que divulgou essa escolha aconteceu dia 27 de julho. O cobrador de ônibus Amiraldo Brito foi indicado como vice.

Davi Alcolumbre subiu no palanque ao lado de Clécio e Randolfe para anunciar sua candidatura nesta sexta-feira, 03. Como já vinha sendo dito, a enfermeira Silvana Vedovelli é a vice que disputará com o democrata a vaga ao Setentrião. Diversos líderes ligados ao grupo político que comanda a Prefeitura de Macapá estiveram no evento partidário.

O nome de João Capiberibe foi confirmado em convenção partidária neste sábado, 04. O candidato a vice é o professor Marcos Roberto, ex- secretário de Segurança Pública da gestão Camilo. Ele é do Partido dos Trabalhadores (PT).

Apesar de serem de correntes internas diferentes de Marcos Roberto – o escolhido da legenda, o casal petista Joel Banha e Dora Nascimento estiveram no palanque de Capi confirmando apoio e mostrando superação nas pendências políticas das eleições passadas, onde Dora devia ser a candidata ao Senado do grupo.

A convenção do PDT e seus partidos aliados foi uma grande onda política que pôde ser vista de longe na orla da cidade. O evento também foi realizado neste sábado, 04, e tornou pequena a grande Caverna do Piratão, no Santa Inês.

Com palanque cheio e de grande musculatura política, Waldez confirmou seu nome e o de Jaime Nunes como seu vice na chapa que irá concorrer à reeleição do governo. Em seu pronunciamento, o atual governador falou sobre os tempos difíceis enfrentados: “se não fosse a nossa experiência e capacidade de lidar com os contrários, o diálogo e receber o apoio dos agentes públicos, não atravessaríamos essa crise”.

“Esse legado de tudo o que construímos e entregamos à população, nesses três anos e meio, está em jogo. Vai passar por um teste nestas eleições. Por isso que eu conto com o apoio de cada cidadão e de cada liderança para continuarmos fazendo o Amapá seguir em frente”, concluiu WG.

O calendário eleitoral agora segue as seguintes datas:

15 de agosto: Prazo para que os partidos e coligações registrem seus candidatos a todos os cargos políticos, até às 19 horas do dia.

16 de agosto: Início das campanhas eleitorais. Os partidos e coligações poderão funcionar das 8h às 22h, realizando comícios e fazendo uso de alto-falantes ou amplificadores de som, nas suas sedes ou em veículos.

A partir dessa data também será permitida a propaganda eleitoral na internet, desde que não seja paga. Estão aqui, na íntegra, as respectivas regras para as campanhas eleitorais: em geral, mediante outdoors, na imprensa e no rádio e na televisão.

31 de agosto: Início da propaganda eleitoral gratuita na televisão e no rádio.

3 de setembro: Dia em que o eleitor, que requereu o voto em trânsito, poderá consultar seu local de votação para o primeiro e o eventual segundo turnos.

9 de setembro: Os partidos e coligações, a partir dessa data, deverão enviar à Justiça Eleitoral a prestação parcial de contas, cujas informações serão o registro da movimentação financeira e/ou estimável em dinheiro ocorrida desde o início da campanha até o dia 8 de setembro de 2018.

13 de setembro: Último dia para que os partidos e coligações prestem contas à Justiça Eleitoral, como citado na data acima.

17 de setembro: Os tribunais regionais eleitorais deverão ter julgado todos os pedidos de candidatura e as devidas decisões relativas a eles nesse dia.

22 de setembro: Nenhum candidato poderá ser detido ou preso a partir dessa data, de acordo com o código eleitoral, exceto em caso de flagrante delito. Entenda isso de maneira rápida e simples nesta matéria do Politize!.

27 de setembro: Último dia para que o eleitor tire a segunda via do seu título de eleitor, dentro do seu domicílio eleitoral. A partir do mesmo dia, a Justiça Eleitoral informará ao eleitor o que é preciso para votar. É vedada a prestação de serviços por terceiros.

02 de outubro: Nenhum eleitor pode ser preso a partir dessa data, salvo se for flagrado cometendo algum delito, ou em virtude de sentença criminal que condena o eleitor por crime inafiançável, ou por desrespeito a salvo-conduto.

Nesse caso, salvo-conduto eleitoral é a garantia de que um eleitor não seja preso ou seja impedido de votar, dias antes à eleição. O salvo-conduto serve também aos candidatos que não podem ser presos nos 15 dias anteriores à eleição. Ficou confuso? Essa matéria aborda justamente sobre isso. 

04 de outubro: Último dia para a campanha eleitoral gratuita em rádios e sistemas de televisão.

A data também é prazo final para a transmissão de debates, propaganda política por meio de reuniões públicas ou para a promoção de comícios.

05 de outubro: Último dia para a divulgação de propaganda eleitoral paga na imprensa escrita e na cópia de jornais impressos, divulgados na internet com campanhas eleitorais.

07 de outubro: Dia das eleições (primeiro-turno). O início da votação será às 8h e se estenderá até às 17h.

12 de outubro: Início da propaganda eleitoral gratuita no rádio e televisão, relativa ao segundo turno.

28 de outubro: Dia das eleições (segundo-turno).

Waldez, Davi, Gianfranco e Capi confirmaram seus nomes na disputa (Fotos G1 AP)

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO