Governo sanciona leis que incorporam regência e aumentam salário-base da Educação






O governador do Amapá, Waldez Góes, sancionou nesta segunda-feira, 9, na sala de reuniões do Palácio do Setentrião, três leis que beneficiam os servidores da Educação. As leis permitirão o aumento e incorporação aos vencimentos básicos dos trabalhadores de três gratificações atualmente pagas à categoria e, a alteração na tabela do Plano de Cargos, Carreira e Salário (PCCS) da classe, que vai proporcionar mais agilidade na progressão funcional.

A Lei nº 0019/18 concede o aumento de 5% nas Gratificações de Regência de Classe, de Suporte Pedagógico ao Exercício da Docência (GSPD) e para Pedagogos e Auxiliares Educacionais (GPAE), passando de 15% para 20% o valor do benefício. E a Lei nº 0020/2018 incorpora estas gratificações ao vencimento dos servidores, permitindo que todos os profissionais da educação tenham acesso ao benefício.

Além delas, a Lei nº 0027/18 altera a tabela de vencimentos da categoria com o corte de um padrão de classe, que permite aos servidores a readequação profissional e, a partir de setembro de 2018, reposição salarial de 3,3 %. A lei admite a progressão funcional mais acelerada em níveis de posição, ou seja, os servidores da educação chegarão aos últimos níveis na tabela em menor tempo de serviço.

“O nosso esforço para valorizar os professores é grande, assim como os demais servidores estaduais. Em um período difícil, em que vários Estados estão com salários atrasados e sem previsão de reajuste, aqui no Amapá, por meio de planejamento e com base na Lei de Responsabilidade Fiscal, conseguimos avançar e conceder aumento aos servidores e benefícios à categoria”, declarou o governador Waldez Góes.

De acordo com a secretária de Estado da Educação, Goreth Sousa, além da valorização salarial, o governo tem se empenhado em qualificar e cuidar dos profissionais da educação. “Lançaremos neste mês um catálogo de cursos e, logo vamos inaugurar o Centro de Valorização para os servidores da educação com serviços de apoio especializado em saúde física e mental”, anunciou.

A incorporação da regência de classe foi bem aceita por Ivan Serrão, diretor da Escola Estadual Tiradentes, que funciona em tempo integral. “Os diretores das escolas com esse modelo de ensino não recebem bolsa, como os professores. Com a incorporação, agora também somos contemplados. E, se antes já estávamos fazendo nosso trabalho de uma forma bem consistente, com esse ganho ficamos mais motivados ainda”, comemorou o gestor.

A diretora da Escola Nossa Senhora de Nazaré, Elisangela Correia Lima, considera que os benefícios são importantes para reconhecer diversos profissionais que, antes não eram contemplados com as gratificações. “Assim como os diretores, os secretários escolares e os coordenadores pedagógicos não recebiam os benefícios. Agora teremos um aumento significativo, um ganho real nos nossos salários”, pontuou.

Por: Caroline Mesquita /  Foto: Pedro Gomes/Secom

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO