HMML alerta para as causas e prevenção do parto prematuro

Compartilhe:





O Hospital da Mulher Mãe Luzia (HMML) realiza em média 700 partos mensais, tanto normais como cesáreos, sendo que 175 são partos prematuros, considerados como procedimentos de alto risco, e equivalem a 25% desse quantitativo. Por esse motivo, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) alerta sobre a importância do pré-natal, que auxilia na prevenção e tratamento de doenças adquiridas na gravidez, que são consideradas as principais causas dessa estatística.

Com o objetivo de conscientizar as mulheres grávidas, o HMML aderiu à campanha mundial “Novembro Roxo”, alusiva ao Dia da Prematuridade, comemorado no dia 17. A data foi instituía em 2008 pela European Foundation for the Care of Preterm Infants (EFCNI).

De acordo com um estudo desenvolvido em 2013 pela Organização Mundial de Saúde (OMS), por ano, em todo o mundo, nascem 15 milhões de bebês prematuros. Mais de 1 milhão deles morrem dias após o parto, o que torna a prematuridade uma das principais causas da mortalidade infantil.

De acordo com o ginecologista e obstetra do HMML, Carlos Filho, o pré-natal é um acompanhamento fundamental na gestação. Pois, através dele, é possível detectar vários tipos de problemas como infecções e outras doenças, a exemplo de toxoplamose, citomegalovírus, rubéola, sífilis, HIV e hepatite.

"A gestante pode fazer o pré-natal nas Unidades Básicas de Saúde e, caso seja identificada uma infecção urinária mais grave, que tenha se espalhado para os rins, ou outras doenças que tornam a gravidez de risco, a paciente é encaminhada para o HMML. No hospital, ela recebe apoio multiprofissional, com médicos, nutricionistas, fisioterapeutas e assistente social, que farão um acompanhamento mais detalhado para que essa mãe não venha a ter um parto prematuro ou outras complicações", orienta o ginecologista.

Carlos Filho ainda ressalta que as doenças mais comuns durante a gravidez são diabetes, hipertensão e infecções, principalmente, a urinária. "Algumas mulheres acham que, por não sentirem dores ou sintomas, não precisam realizar o pré-natal. Isso é um erro grave, pois alguns problemas como infecção urinária podem não causar sintomas visíveis. Porém, ela é um dos principais fatores que causam o rompimento precoce da bolsa", alerta o especialista.

O médico reforça que durante o pré-natal a mulher recebe informações gerais a respeito da gravidez, sobre o seu corpo, o feto, desconfortos, controle de peso, alimentação saudável, possíveis manchas na pele que podem surgir e os cuidados com o recém-nascido, como a importância da amamentação.

Além das Unidades Básicas de Saúde, a mulher pode encontrar apoio com a equipe de profissionais do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) e Estratégia Saúde da Família (ESF), que prestam serviços de saúde multiprofissional para a população.

Prevenção

Ainda de acordo com o ginecologista Carlos Filho, para evitar complicações durante a gestação é recomendável que a mulher tenha uma alimentação balanceada. Uma dieta pobre em nutrientes pode causar restrição no crescimento do feto e desnutrição. "É importante que a mulher procure auxílio nutricional, pois cada paciente precisa de cuidados específicos quanto aos alimentos, que evitam e controlam doenças como hipertensão e diabetes. Além disso, diminuem o cansaço, náuseas, prisão de ventre e outros desconfortos”, reitera o médico.

Outros cuidados durante a gravidez estão relacionados à prática de exercícios físicos, com exceção daquelas que apresentam alguma condição de saúde especial. "Todo cuidado é pouco, por isso, deve-se ter um acompanhamento médico, o qual identificará os exercícios adequados para cada mulher. Essa prática traz diversos benefícios, a exemplo da facilidade de recuperação pós-parto, alívio de dores e estresse e, ainda, traz mais segurança durante este período", reforça o ginecologista.

HMML

O Hospital da Mulher Mãe Luzia é a única maternidade pública do Amapá que possui uma UTI neonatal, prestando serviços de alta e média complexidade para a população. Recentemente, o hospital recebeu sete novos leitos, implantou a classificação de risco para agilizar os atendimentos, agência transfusional, laboratório de análises clínicas e sala de multiuso, que fomenta a educação em saúde. Também adquiriu aparelhos de raio-X, fototerapia, berços aquecidos, ventiladores mecânicos e aspiradores.

A unidade também passou por adaptações na estrutura da Central de Materiais Esterilizados (CME), reforma total do telhado e ampliou serviços psicossociais para 12 horas e 2 consultórios para atendimento médico, que reduziu em 70% o tempo de espera, além de outras melhorias voltadas para os recursos humanos e atendimento da UTIneo.

Por: Jamylle Nogueira /  Foto: André Rodrigues

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO