COVID-19: Telemedicina Ć© adotada no isolamento social

Compartilhe:





Especialista acredita que medida protege médicos e pacientes
 

Com a autorização da prática da telemedicina por parte do CFM (Conselho Federal de Medicina), determinadas especialidades passam a oferecer o  contato à distância durante o atendimento médico. A decisão da entidade visa ser uma medida a mais na tentativa de diminuir o contágio do novo coronavírus no Brasil.

“Nos casos em que o exame físico não é prejudicado, o teleatendimento é uma saída em meio à pandemia, pois evita que médicos e pacientes se desloquem ao consultório”; explica o cirurgião vascular Dr. Gilberto Narchi. Entretanto, o especialista afirma ser fundamental que o médico consiga perceber a angústia e queixa do paciente.

A COVID-19 tem como característica o contágio fácil e rápido, por isso, além do deslocamento, o atendimento presencial pode ser uma forma de transmissão. “Nesse sentido, a telemedicina também funciona como medida preventiva para as pessoas que compõem o grupo de risco do novo coronavírus - idosos, gestantes, pessoas com doenças cardícas, com diabetes, entre outras”, acrescenta Dr. Gilberto.

O CFM propõe que a telemedicina esteja em vigor enquanto durar a situação de emergência vivida pela pandemia de COVI-19 no país. Para a modalidade, o conselho estabelece alguns formatos autorizados, sendo eles: orientação médica, monitoramento de pacientes em tratamento e conferências entre médicos para troca de informações, opiniões ou avaliações clínicas. “Acredito que a telemedicina veio para ficar, desde que aplicada com a devida responsabilidade”, finaliza o cirurgião vascular.

Sobre Dr. Gilberto Narchi Rabahie

Formado em Medicina pela Faculdade de Medicina do ABC, Dr. Gilberto Narchi possui Pós Graduação em Pesquisa pela Universidade da Califórnia, em San Francisco – UCSF, além de ser especialista em Cirurgia Vascular pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e Endovascular. Também é membro da Sociedade Americana de Cirurgia Vascular e da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e Endovascular. Atualmente, é cirurgião vascular do Hospital do Coração em São Paulo.

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA Saśde