Guarda Civil de Macapá passa a atuar em operações ostensivas na capital

A medida está de acordo com a lei do novo estatuto da corporação.

A Guarda Civil Municipal de Macapá passou a ser polícia administrativa e ostensiva e atuará nas zonas norte, sul, leste e oeste da capital, além de alguns distritos. A determinação iniciou na sexta-feira (1º) e segue o novo estatuto da corporação, sancionando no dia 18 de abril de 2022.

“Estamos atendendo um pedido da Guarda. Desde quando assumimos a gestão, temos dialogado com eles. Apresentamos o novo estatuto, atendendo ao pedido da corporação, que desempenha um papel essencial na segurança municipal e merece ser valorizada”, ressalta o prefeito Dr. Furlan.

A atuação é prevista na lei federal 13.022, que estabeleceu o Estatuto Geral das Guardas Municipais, e a lei complementar 146/2022 do município. Assim, 201 guardas deixarão de ocupar 72 postos, como escolas e unidades básicas de saúde, para realizarem ronda ostensiva nos logradouros públicos, reforçando a segurança da cidade e podendo atuar em situações de conflito, em conjunto com outros órgãos da segurança pública do estado.

Prefeito Dr. Furlan em reunião com a corporação na manhã deste sábado (2) | Foto: arquivo/PMM

 

“Saímos do posto de vigilantes, como éramos conhecidos, e passamos a atuar de fato na segurança pública municipal, que é de competência nossa. Dessa forma, dividimos a corporação para atender as quatro zonas de Macapá. No caso de distritos, se houver alguma demanda, também estaremos realizando esse trabalho”, detalha a comandante da Guarda Civil Municipal, Joeva Reis.

O policiamento e patrulhamento eram um dos principais pedidos dos guardas municipais. Para isso, eles contarão com viaturas, motocicletas, ônibus de videomonitoramento e arma de choque.

Contração de vigilantes
Com a mudança de competência da Guarda Civil, a Prefeitura de Macapá contratou novos vigilantes que atuarão na segurança das escolas municipais e demais prédios públicos da instituição, que, até então, eram monitorados pela corporação.


O que achou desta notícia?