4ª dose: saiba por que é importante tomar o reforço da vacina

Segundo especialista, idosos e pessoas imunossuprimidas são as que mais precisam do esquema vacinal completo

A Covid-19 pode até parecer estar dando uma trégua, mas o vírus continua circulando por aí e infectando pessoas diariamente. A verdade é que os dados epidemiológicos recentes mostram um crescimento no número de casos e consequentemente de mortes no Brasil, e isso se deve principalmente à circulação das subvariantes da ômicron BA.4 e BA.5, que são mais transmissíveis. A boa notícia é que estudos mostram que graças à vacinação, essas subvariantes têm suas ações atenuadas, gerando menor quantidade de casos graves e uma infecção com menor tempo de duração.

Com o cenário da volta à “normalidade”, boa parte da população, além de relaxar as medidas de proteção, também tem esquecido de voltar aos postos de saúde para completar o seu esquema vacinal, ou tomar as doses de reforço já disponíveis. Dados do Ministério da Saúde apontam que o Brasil aplicou mais de 450 milhões de vacinas contra o Coronavírus desde o início da vacinação. Mais de 91% da população recebeu pelo menos uma dose do imunizante, cerca de 85% está completamente vacinada (receberam as duas doses) - e apenas 53% da população vacinável tomou a dose de reforço, chamada popularmente de terceira dose.

Segundo a enfermeira e coordenadora do curso de Enfermagem da faculdade Anhanguera, Anne Oliveira, todas as pessoas elegíveis devem tomar quantas doses de vacina estejam disponíveis e sejam recomendadas pelas autoridades de saúdeA vacinação é a forma mais eficaz de frear a contaminação da Covid-19. “A pandemia não acabou e, por isso, é importante que as pessoas tomem todas as doses das vacinas e cuidem das medidas de proteção, principalmente para aquelas que pertencem aos grupos de risco. Os imunizantes funcionam em altas taxas na redução de casos graves, internações e mortes por Covid, mas não necessariamente evitam a transmissão e o contágio”, explica.

A vacina foi a grande responsável pela diminuição das taxas de internação (casos mais graves) e óbitos no Brasil, o que trouxe um cenário de controle da pandemia. “Para continuar com esse resultado, é importante que as pessoas completem as doses da vacina”, pontua a docente.

E é por conta dessa “redução” da proteção contra o vírus que muitas cidades e estados do país estão oferecendo o “segundo reforço”, popularmente chamada de quarta dose - inicialmente para profissionais de saúde, idosos e pessoas imunossuprimidas, estendendo gradualmente a proteção até para quem está na casa dos 30 anos.

“Tão importante quanto tomar a terceira dose da vacina contra a Covid-19, o chamado reforço vacinal, a quarta dose (D4), ou segundo reforço, é uma recomendação expressa do Ministério da Saúde, alinhada à orientação da Organização Mundial da Saúde, para garantir maior proteção aos grupos que possuem a imunidade naturalmente mais baixa. A recomendação é que a imunização seja feita com as vacinas da Pfizer, AstraZeneca ou Janssen, quatro meses após a aplicação do primeiro reforço”, orienta.


O que achou desta notícia?